Por que comemoramos a Páscoa?

Resultado de imagem para sexta feira santa

Olá meus amores, tudo bem com vocês?

Nos dias de hoje, a Páscoa geralmente acontece num domingo qualquer entre 22/03 a 25/04; porém têm sido comemorado com ovos e coelhos de chocolate. O ovo de páscoa que temos hoje apareceu graças ao desenvolvimento da indústria de chocolate em 1828.

Alguns dizem que foram os anglo-saxãos os primeiros a usarem o coelho como símbolo da Páscoa. Outros, no entanto, o relacionam ao culto da fertilidade, que era celebrado pelos babilônicos e mais tarde levado para o Egito. Uma outra lenda diz que em 1215 na Alsácia (França), um dos coelhinhos da floresta foi o escolhido para levar um ninho cheio de ovos ao principezinho que estava doente.

O Concílio de Nicéia foi quem estabeleceu a Páscoa cristã em 325 da nossa era. O peixe, foi símbolo adotado pelos primeiros cristãos. Em grego, a palavra peixe era um símbolo de confissão de fé, e significava: “Jesus Cristo, Filho de Deus e Salvador”. O costume de comer o peixe na sexta-feira santa, está associado ao fato de Jesus ter repartido este alimento entre o povo faminto. Assim a tradição de não se comer carne com sangue derramado por Cristo em nosso favor. Uma tradição meramente humana.

A Páscoa têm sua origem no Egito. No Livro de Êxodo, capítulo 12, temos a instituição desse memorial. Primeiramente, o significado histórico da Páscoa é a libertação: o povo de Israel era escravo na terra do Egito e Deus milagrosamente os libertou através de Seu servo Moisés. Segundo, o significado profético da Páscoa é a redenção:

“Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado” (1Co 5.7).
A Páscoa era uma convocação santa e uma espécie de comemoração perpétua do livramento de Israel da morte. Era um testemunho permanente de que a sua salvação era através do sangue do Cordeiro. O cordeiro que foi morto pelos israelitas fala de Cristo, o Cordeiro de Deus; pois o sangue do cordeiro, apontava para o sacrifício de Cristo, o Cordeiro que tira o pecado do mundo.

Na oferta de Abel (Gn 4), encontramos o Cordeiro tipificado; no carneiro preso entre os arbustos (Gn 22), o Cordeiro foi profetizado; na Páscoa (Êx 12), encontramos o Cordeiro especificado; em Isaías 53 o Cordeiro está personificado; e em João 1 o Cordeiro está identificado:

“Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (v.29);.

Em Apocalipse 5, o Cordeiro está magnificado, e em Apocalipse 22 o Cordeiro está glorificado.

“Antes de tudo vos entreguei o que também recebi; que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras” (1Co 15.3-4). 

A Páscoa é uma espécie de vida nova. As boas novas então se prorromperam espalhando-se:

“Deus estava em Cristo, reconciliando consigo o mundo!” 

Este Homem morreu por VOCÊ; morreu por mim. Veio para morrer. Mas que proveito adviria de um Salvador morto? Ele tinha que viver!

Aquele que estava morto, reviveu. Foram-se as trevas. Resplandece o sol. A vida recebeu um novo significado. Hoje, a morte e a ressurreição de Cristo é demonstrada através da Ceia do Senhor, pois Cristo descartou a Páscoa e colocou em seu lugar a Ceia do Senhor, para comemoração de Sua própria morte! Hoje, temos o privilégio de celebrar a Páscoa (Ceia do Senhor) por causa do poderoso triunfo do Filho de Deus sobre o pecado, a morte e o inferno.

Em Sua morte, Cristo deu significado e ampliação à Páscoa. A Páscoa, por sua vez, apresenta o esclarecimento e a interpretação da cruz. A Páscoa é a sombra; a cruz é a substância. A Páscoa é o modelo; a cruz é a perfeição.

Você já recebeu em seu coração esse maravilhoso Salvador que triunfou sobre o pecado, a morte e o inferno? E, se já o fez, o Cristo Vivo já se tornou o poder de Deus em sua vida?

FONTE: Jornada no Deserto, Gazeta Cristã, O Batista Regular.

 

Que vocês tenham um dia abençoado.

Beijinhos e até o próximo post.

Comentários

Nenhum comentário foi publicado para este post. Seja o primeiro a comentar...